4 passos para o gerenciamento emocional – Série “O Novo Líder (4)

No comments

Qual é o impacto das suas emoções em sua tomada de decisões, em seus relacionamentos e nos resultados e performance que você tem em seu trabalho?

Continuando a série “O Novo Líder”, gerenciamento emocional é o tema de hoje. 

Você já sabe que é muito importante cuidar das emoções e ter inteligência emocional, e que só saber coisas técnicas e ser muito inteligente (quanto ao QI), não é o suficiente. Precisamos integrar nossas emoções, cognição, quem a gente é como um todo para desenvolver um bom trabalho, ter bons relacionamentos e conseguir tomar boas decisões. E eu sei que embora na teoria seja algo já muito claro para alguns, no dia a dia é um desafio lidar com as emoções. Por isso, estou aqui para compartilhar 4 passos para o gerenciamento emocional. 

Se essa é uma questão para você, veja o racional. Vou dividir em duas partes: primeiro, o líder pensando em seu gerenciamento emocional e segundo, o líder considerando as emoções da equipe. 

Primeiro – gerenciamento emocional do líder. Ao longo da semana, treine o seguintes passos:

1º passo: pense sobre o que sente. Identifique suas emoções ao longo do dia. Perceba isso ao fazer perguntas a você mesmo: O que estou sentindo agora? O que senti naquele momento?  

2º passo: identifique a causa. Por que se sentiu assim / o que gerou aquela emoção em você? Entender gatilhos pontuais e também recorrentes é parte fundamental do processo. 

3º passo: pense na consequência. Lembre-se das consequências ao agir com certas emoções “no controle”. Estou sentindo muita raiva, o que acontecerá se me deixar levar por essa emoção e agir?

4º passo: crie estratégias pra lidar de forma mais efetiva. Pense: qual a melhor forma de lidar com essa situação? Quais as atitudes mais positivas, pensando no curto, médio e longo prazo?

Pense nesses passos como líder e treine ao longo dos dias!

E, em segundo lugar, enquanto você desenvolve seu gerenciamento emocional, parte da inteligência emocional é também lidar com as emoções dos outros. Se você tem uma equipe, quantas emoções estão presentes ali ao longo do dia?

Oferecer espaços seguros, de escuta e reflexão, demonstrar interesse verdadeiro nas questões de cada pessoa, perguntar, se disponibilizar a criar planos juntos…são algumas formas de facilitar para que o outro lide melhor com o que está ocorrendo. O líder tem um papel importantíssimo na criação da parceria e do clima no ambiente de trabalho. Como você tem exercido sua influência neste sentido? 

E para quem gosta de aplicativos, recomendo o Mood Meter, que ajuda no monitoramento das emoções – do que está sentindo e do porque está se sentindo assim. Ele foi criado com uma base dos estudos em inteligência emocional da Universidade de Yale. Só um ponto: é em inglês, o que é bom para quem quer treinar o vocabulário emocional no idioma. 

Se você tiver qualquer questão sobre esse assunto, deixe uma mensagem!

Lembre-se: é treino, é aprendizado, não é automático. Logo, é preciso fazer de forma consciente e acreditar que é possível transformar e evoluir. Vamos adiante?

Patrícia Schuindt4 passos para o gerenciamento emocional – Série “O Novo Líder (4)
Ler mais

Emoções importam – “converse” com elas.

No comments

Hoje participei online de um Seminário sobre Inteligência Emocional, onde tive a oportunidade de escutar o Marc Brackett, Ph.D, Diretor do Centro de Inteligência Emocional da Universidade de Yale. Compartilho algumas ideias com vocês.
As nossas emoções importam (e muito). Elas afetam:

– Atenção, Memória e Aprendizagem.
– Tomada de decisões.
– Qualidade dos Relacionamentos.
– Saúde física e Mental.
– Eficácia diária.

Por isso, é importante estarmos conscientes de nossas emoções, pensar sobre elas.

“Como eu me sinto?” (Descreva o motivo).

É uma pergunta-chave que precisa ser feita constantemente. Fugir de pensar sobre as emoções e de entrar em contato com o significado delas, bem como sobre suas consequências, pode ser uma atitude limitante em nossas vidas, que leva ao desequilíbrio emocional.

Escute suas emoções e “converse com elas”, para chegar a um acordo sobre as melhores ações e evitar comportamentos automáticos que perpetuem ciclos destrutivos.

O Coaching pode te ajudar a desenvolver estratégias de gerenciamento emocional. Se quiser trabalhar este assunto, escreva para pschuindt@r122coaching.com.br ou fale comigo por Skype: patriciaschuindt

Patrícia SchuindtEmoções importam – “converse” com elas.
Ler mais

Como controlar emoções – Inteligência Emocional, parte 1.

No comments

A inteligência emocional envolve a habilidade de perceber precisamente, de avaliar e de expressar emoções; a habilidade de perceber e/ou gerar sentimentos quando eles facilitam o pensamento; a habilidade de compreender a emoção e o conhecimento emocional; e a habilidade de controlar emoções para promover o crescimento emocional e intelectual. (MAYER & SALOVEY, 1997, p. 10)

É sobre este modelo/definição de Mayer & Salovey,  que falarei na série de posts sobre o tema (foram estes autores que propuseram a primeira definição acadêmica para Inteligência Emocional, sendo base inclusive para Daniel Goleman criar seu próprio modelo. Acredito que podemos aprender com as duas abordagens).

Com essa base, quero que você reflita sobre sua habilidade, começando do primeiro aspecto a ser trabalhado – identificar e rotular emoções. 

É comum as pessoas não pensarem no que realmente estão sentindo. Simplesmente dizem: “não estou bem”; ou “estou ok”; ou “não sei o que estou sentindo”; ou “estou bem”…

Conseguir identificar qual é a emoção presente e verbalizá-la (dizer qual é), pode fazer uma enorme diferença. Vamos refletir:

Você tem um objetivo. Ao longo do caminho percebe que não está evoluindo como gostaria. Sente que não está bem. Qual é a emoção presente?

Ou

Você está em um relacionamento. Percebe que, frequentemente, age impulsivamente e depois se arrepende do que falou e da forma como agiu. Qual é a emoção presente?

Ou

Você tem uma apresentação para fazer. Tem vontade de fugir e não falar em público. Sabe que fazer uma apresentação de qualidade faria diferença em sua carreira. Qual é a emoção presente?

E por aí vai…as emoções estão em nós e são muito importantes em nossa existência. Elas podem nos ajudar ou atrapalhar. Ter consciência e autopercepção é o primeiro passo para alcançar um controle emocional produtivo. Faça isso por um tempo: identifique e rotule as emoções (diga o nome da emoção). Nos próximos posts falarei o que fazer a partir disso.

Para te ajudar, amplie seu vocabulário sobre emoções:

Alegria – Frustração – Vergonha – Medo – Simpatia – Indignação – Tristeza – Nojo – Raiva – Culpa – Compaixão – Desprezo

 

Bons textos para aprofundar o assunto:

Mayer, J. D., & Salovey, P. (1997). What is emotional intelligence? In P. Salovey & D. Sluyter (Eds.), Emotional development and emotional intelligence: Implications for educators (pp. 3-31). New York: Basic Books.

Mayer, J. D., Salovey, P., & Caruso, D. R. (2000). Models of emotional intelligence. In R. J. Sternberg (Ed.), The handbook of intelligence (pp. 396–420). New York: Cambridge University Press.

Patrícia SchuindtComo controlar emoções – Inteligência Emocional, parte 1.
Ler mais

Desenvolva essa capacidade que é fundamental para sua vida pessoal e profissional.

No comments

Tenho certeza que você já ouviu falar sobre a Inteligência emocional e sobre o fato de que ter essa capacidade desenvolvida pode impactar (e muito) sua vida pessoal e profissional. Mas, você sabe realmente o que é? Quais os passos que você já deu para melhorar neste sentido?

Invista um tempo para ler o texto “Inteligência emocional: as habilidades sociais que você não aprendeu na escola” (Link abaixo) e, ao final, escreva uma mudança que fará a partir do novo conhecimento. Coloque em prática e veja os resultados. Toda mudança requer atenção, foco e esforço, mas se é algo que trará benefícios para você, vale a pena.

“A inteligência emocional descreve quão bem os indivíduos podem gerenciar suas próprias emoções e reagir às emoções dos outros. As pessoas que apresentam inteligência emocional têm habilidades muito necessárias, mas menos óbvias para se dar bem na vida, como saber gerenciar e resolver conflitos, entender e responder às necessidades dos outros e manter suas próprias emoções em cheque, de forma que elas não atrapalhem as suas vidas”.

Leia o texto completo, tem várias dicas interessantes!

Texto original: http://lifehacker.com/emotional-intelligence-the-social-skills-you-werent-ta-1697704987

Texto em português: http://hypescience.com/as-habilidades-sociais-que-voce-nao-aprendeu-na-escola/

 

 

Patrícia SchuindtDesenvolva essa capacidade que é fundamental para sua vida pessoal e profissional.
Ler mais

Saiba como lidar bem com objetivos desafiadores.

No comments

Se você tem um objetivo desafiador pela frente – qualquer que seja seu contexto – pode ser que esteja sentindo ansiedade, desespero, medo e a angústia da dúvida – será que vou conseguir?

Allan Beddeley, um importante pesquisador da memória humana e professor da Universidade de York, realizou estudos especialmente sobre a Memória Operacional – parte do cérebro onde ocorrem processos de aprendizagem, raciocínio e compreensão e percebeu que emoções, como o medo e a ansiedade, podem impactar negativamente no desempenho de tarefas cognitivas.

Talvez você consiga perceber isso a partir de sua experiência:

Quando estava nervoso em uma apresentação e não conseguiu falar exatamente o que queria para a plateia;

Quando errou uma música que dominava em uma apresentação;

Quando teve um erro no campeonato, de algo que era simples pra você;

Quando não conseguiu executar ações com o melhor desempenho, mesmo que tecnicamente dominasse 100%;

As emoções podem ajudar ou atrapalhar seu desempenho.

Quero compartilhar com você algumas dicas para que consiga se concentrar no que pode te ajudar neste sentido.

1) Tenha em mente o objetivo que você quer atingir. É muito importante saber qual é o seu alvo e manter os olhos nele. O foco é algo muito poderoso. Lembre-se que onde você coloca sua atenção e a lente que você usa para enxergar, faz toda a diferença.

2) Defina quais são os passos que precisa dar e concentre-se neles. Isso ajuda você a usar seus recursos mentais focados em áreas do cérebro que cuidam do planejamento, raciocínio.

3) Tenha pensamentos e conversas internas positivas, que geram confiança e desta forma te ajudam a usar melhor o seu potencial – o que desperta isso em você? Quais são os pensamentos produtivos a respeito do objetivo?

Esforce-se e faça testes de mudanças –  aos poucos, você poderá evoluir naquilo que parecia um grande obstáculo.

Entre em contato para agendar uma conversa sobre o Coaching, caso queira ajuda  para facilitar o processo diante de um objetivo desafiador ou para obter mudanças – pschuindt@r122coaching.com.br

 

(foto retirada do site: Melhor com saúde)

Patrícia SchuindtSaiba como lidar bem com objetivos desafiadores.
Ler mais