Emoções importam – “converse” com elas.

No comments

Hoje participei online de um Seminário sobre Inteligência Emocional, onde tive a oportunidade de escutar o Marc Brackett, Ph.D, Diretor do Centro de Inteligência Emocional da Universidade de Yale. Compartilho algumas ideias com vocês.
As nossas emoções importam (e muito). Elas afetam:

– Atenção, Memória e Aprendizagem.
– Tomada de decisões.
– Qualidade dos Relacionamentos.
– Saúde física e Mental.
– Eficácia diária.

Por isso, é importante estarmos conscientes de nossas emoções, pensar sobre elas.

“Como eu me sinto?” (Descreva o motivo).

É uma pergunta-chave que precisa ser feita constantemente. Fugir de pensar sobre as emoções e de entrar em contato com o significado delas, bem como sobre suas consequências, pode ser uma atitude limitante em nossas vidas, que leva ao desequilíbrio emocional.

Escute suas emoções e “converse com elas”, para chegar a um acordo sobre as melhores ações e evitar comportamentos automáticos que perpetuem ciclos destrutivos.

O Coaching pode te ajudar a desenvolver estratégias de gerenciamento emocional. Se quiser trabalhar este assunto, escreva para pschuindt@r122coaching.com.br ou fale comigo por Skype: patriciaschuindt

Patrícia SchuindtEmoções importam – “converse” com elas.
Ler mais

Como lidar com a “briga eterna” entre razão e emoção e viver melhor – Inteligência Emocional, parte 2.

No comments

(Créditos da imagem: Mariana Eller, profissional que admiro. Obrigada, Mari!!!)

CONCEITO: Emoções afetam decisões, relacionamentos e performance. Por isso, lidar com elas de forma inteligente é fundamental para bom desempenho, relacionamentos positivos e o bem-estar.

Veja se você se identifica com  alguma dessas afirmações:

– Estou tão ansioso que não consigo fazer nada.

– Dei uma resposta automática sem pensar, porque estava com raiva. Tudo ficou pior.

– Preciso separar razão e emoção, para não atrapalhar o que preciso falar e fazer. Sempre ajo no emocional.

– Fiquei tão nervoso que não consegui realizar a prova direito.

– Não sei porquê, mas estou muito motivado hoje.

– Estou desanimado, mas não sei porquê.

– Estou muito angustiado pela decisão que preciso tomar. Não sei o que fazer.

– Estava estressado com o trabalho e descontei na família. Agora tudo ficou ruim.

– Fiquei tão irritado, que não consegui mais trabalhar.

– Fiquei paralisado. Não consegui agir.

– Estou triste e não quero fazer mais nada.

– Estou frustrado e não vou mais trabalhar nesse objetivo.

– Estou me sentindo feliz e energizado. Não sei o motivo.

 

E aí, tem algo que você costuma dizer ou fazer? Se identificou com alguma das afirmações? Emoções não faltam em nosso cotidiano (ainda bem!) e mais do que “pensar e agir racionalmente” o que precisamos é integrar a “razão e emoção” de forma harmoniosa (resolver a famosa briga eterna).

É preciso estabelecer um diálogo interior. A nossa capacidade, como seres humanos, de refletir, é algo que nos diferencia de outros seres. Não precisamos reagir de forma impulsiva e automática às situações – isso seria o natural/instintivo, mas temos a capacidade de refletir para fazer melhores escolhas de como agir e reagir.

O foco com essa série de post é falar sobre controle emocional. E uma parte importante para isso é compreender o conteúdo das emoções – escutar o que elas têm a dizer. As emoções nos dão informações importantes sobre nós e sobre o ambiente externo. É um sistema de alerta.

Não subestime o impacto de coisas simples que você pode fazer. Por exemplo, muitas, mas muitas pessoas mesmo que passam pelo Coaching e que buscam maior controle das emoções, perceberam que o simples fato de estar mais atento e PARAR PARA PENSAR (PPP), fez uma enorme diferença em suas vidas.

Então, fica o EXERCÍCIO:

***PPP***: O que estou sentindo? Identifique e rotule a emoção.

***Compreensão emocional***:

Quais são as causas dessa emoção?

Quais são as consequências?

Qual a mensagem que a emoção carrega?

O que isso significa?

Fazer esse exercício é uma boa oportunidade para o autoconhecimento e para realmente dar passos para alcançar o controle emocional.

Em uma sociedade onde crianças são ensinadas a “engolir o choro” fica claro que precisamos trabalhar melhor a expressão e compreensão das emoções.

A partir desse exercício, poderemos avançar para “o que fazer com isso” e como articular essa informação sobre a emoção de forma positiva. Mas, a princípio, arrisque-se a focar só nisso nos próximos dias. Depois, vamos aprofundar outros exercícios e conceitos. Mas para passar para o próximo nível, é preciso exercitar bem os  dois pontos trabalhados até aqui (Lembrete: falamos no primeiro post da série “Como controlar emoções”, sobre a importância de Identificar e Rotular as emoções como um primeiro passo. Se você não leu o primeiro texto, veja aqui: http://localhost/patricia/2016/02/inteligencia-x-inteligencia-emocional/)

Esse é um grande desafio e mais pra frente vou contar algumas experiências pessoais que me levaram inclusive ao interesse de estudar mais o tema.

Uma possibilidade tecnológica para te ajudar nesse raciocínio é o aplicativo: http://moodmeterapp.com/

INFELIZMENTE, só tem em inglês, mas é uma boa oportunidade para aumentar seu vocabulário sobre emoções, em português e inglês! 🙂

Ele é baseado em anos de estudos sobre a inteligencia emocional, por pesquisadores de Yale. Top!

IMG_1846IMG_1847

 

Dois bons textos acadêmicos sobre o assunto, se quiser aprofundar seus conhecimentos:

WOYCIEKOSKI, Carla; HUTZ, Claudio Simon. Inteligência emocional: teoria, pesquisa, medida, aplicações e controvérsias. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre , v. 22, n. 1, p. 1-11, 2009 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79722009000100002&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 17 jun. 2015. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722009000100002.

MUNIZ, Monalisa. Seu texto Investigação da inteligência emocional como fator de controle do stress em guardas municipais [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por <pschuindt@r122coaching.com.br>. 20 jul 2015.

Patrícia SchuindtComo lidar com a “briga eterna” entre razão e emoção e viver melhor – Inteligência Emocional, parte 2.
Ler mais

Como controlar emoções – Inteligência Emocional, parte 1.

No comments

A inteligência emocional envolve a habilidade de perceber precisamente, de avaliar e de expressar emoções; a habilidade de perceber e/ou gerar sentimentos quando eles facilitam o pensamento; a habilidade de compreender a emoção e o conhecimento emocional; e a habilidade de controlar emoções para promover o crescimento emocional e intelectual. (MAYER & SALOVEY, 1997, p. 10)

É sobre este modelo/definição de Mayer & Salovey,  que falarei na série de posts sobre o tema (foram estes autores que propuseram a primeira definição acadêmica para Inteligência Emocional, sendo base inclusive para Daniel Goleman criar seu próprio modelo. Acredito que podemos aprender com as duas abordagens).

Com essa base, quero que você reflita sobre sua habilidade, começando do primeiro aspecto a ser trabalhado – identificar e rotular emoções. 

É comum as pessoas não pensarem no que realmente estão sentindo. Simplesmente dizem: “não estou bem”; ou “estou ok”; ou “não sei o que estou sentindo”; ou “estou bem”…

Conseguir identificar qual é a emoção presente e verbalizá-la (dizer qual é), pode fazer uma enorme diferença. Vamos refletir:

Você tem um objetivo. Ao longo do caminho percebe que não está evoluindo como gostaria. Sente que não está bem. Qual é a emoção presente?

Ou

Você está em um relacionamento. Percebe que, frequentemente, age impulsivamente e depois se arrepende do que falou e da forma como agiu. Qual é a emoção presente?

Ou

Você tem uma apresentação para fazer. Tem vontade de fugir e não falar em público. Sabe que fazer uma apresentação de qualidade faria diferença em sua carreira. Qual é a emoção presente?

E por aí vai…as emoções estão em nós e são muito importantes em nossa existência. Elas podem nos ajudar ou atrapalhar. Ter consciência e autopercepção é o primeiro passo para alcançar um controle emocional produtivo. Faça isso por um tempo: identifique e rotule as emoções (diga o nome da emoção). Nos próximos posts falarei o que fazer a partir disso.

Para te ajudar, amplie seu vocabulário sobre emoções:

Alegria – Frustração – Vergonha – Medo – Simpatia – Indignação – Tristeza – Nojo – Raiva – Culpa – Compaixão – Desprezo

 

Bons textos para aprofundar o assunto:

Mayer, J. D., & Salovey, P. (1997). What is emotional intelligence? In P. Salovey & D. Sluyter (Eds.), Emotional development and emotional intelligence: Implications for educators (pp. 3-31). New York: Basic Books.

Mayer, J. D., Salovey, P., & Caruso, D. R. (2000). Models of emotional intelligence. In R. J. Sternberg (Ed.), The handbook of intelligence (pp. 396–420). New York: Cambridge University Press.

Patrícia SchuindtComo controlar emoções – Inteligência Emocional, parte 1.
Ler mais